domingo, 3 de abril de 2016

Gosto de abrir a janela e ver a alegria das crianças.

Abro a janela e vejo o sol que me dá os bons dias. 

Vejo as crianças a rirem, a brincarem, umas mais envergonhadas que outras, mas contentes, com toda a sua inocência, nada as preocupa. 

Vejo os jovens, alguns jogam à bola, outros já namoriscam. 

Vejo os adultos numa correria para o emprego, para levar os filhos à escola. 

Vejo os idosos a passear e olham o que os rodeia, alguns sentam-se, imaginando talvez, quando eram mais novos e era aquela a vida deles. 

E eu, ao mesmo tempo que contemplo aquilo tudo, também penso em mim, da minha infância, juventude, a fase adulta. 
Gosto de ver quando o dia nasce e que tudo recomeça, mais um dia! Será que vai correr bem? mas fico feliz por ter acordado mais um dia. 
Hoje vivo assim, sem pressas nem correrias. Às vezes penso se as outras pessoas também pensam nisso de ter a sorte de acordar mais um dia. 
Onde vivo, é uma zona muito habitacional onde vivem centenas de pessoas, onde há muitas escolas, desde infantários até à faculdade, é uma zona em que algumas pessoas só cá estão algumas horas do dia, outras estão permanentemente. 
Se conheço alguém? Sim conheço! mas bom dia e boa tarde, é o que praticamente  é “permitido” dizer-se por aqui. As pessoas são muito fechadas, não se dão, há excepções é claro, mas é fácil para mim, contar as pessoas com que me dou e que estão sempre bem dispostas. Sim, porque se passei uma vez e até cumprimentei e não me responderam, ora merd@, nunca mais. Há muito que já me habituei, mas não gosto. 

Gosto quando vou a casa da minha mãe em que todos se conhecem e chego lá falo para todos e todos falam para mim. Não gosto de gente snob que virados ao contrário não lhes cai um cêntimo, mas que fazer...


Gostava de abrir a janela e ver as pessoas passarem e mesmo sem se conhecerem dizerem bom dia e terem a noção da felicidade que é de acordaram mais um dia.


 Gosto de abrir a janela e ver a alegria das crianças. 




12 comentários:

  1. Hoje em dia as pessoas vivem fechadas em apartamentos...nem os vizinho da porta ao lado conhecem...

    Isabel Sá
    http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  2. No Porto...passavam_se meses que não me cruzava com os meus vizinhos...em compensação...aqui na aldeia...o bom dia e a boa noite são palavras constantes!
    Bom domingo Nina

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É bom viver nas aldeias é outra vida.
      Bom domingo Maria.
      Beijinhos

      Eliminar
  3. Eu moro num lugar que é quase uma aldeia a 5 minutos da capital, onde os mais antigos ainda se cumprimentam. Mas como "satélite", ou dormitório, nos últimos 20 anos o lugar teve um aumento de população extraordinário e os moradores que vieram já perderam esse hábito.
    Por acaso a minha rua é pequena e só se sai por onde se entrou. Há só dois prédios, cada um com 4 inquilinos, o que a torna quase uma rua privada. No passeio oposto só há um bloco de armazéns de um piso, o que me permite ter uma vista ampla sobre vários quilómetros em redor, virada para o nascer do sol.
    Vou à rua de pijama; aspiro o carro à porta e é raro não ficar um bocado à conversa com a velhota que mora no rés-do-chão do prédio ao lado. Tudo gente que me conheceu com 20 anos e eu conheci bem mais novas do que sou agora. Os filhos, que vi jogarem à bola na rua, são agora homens e mulheres já com a sua prole no secundário.
    Gosto de morar aqui. Não nasci cá, mas foi aqui que voltei a ganhar as raízes que tinha deixado na minha terra natal, mal acabei a 4ª classe. Aqui sente-se o passar do tempo e quando queremos stressar, só temos que andar 15 minutos a pé e estamos num dos maiores centros comerciais do país.
    Eu sou dos que gostam de acordar vivos e olharem pela janela quando o sol começa a aparecer no horizonte. Não gostava de acordar com o barulho e a confusão da cidade grande. Gosto de ir lá quando me apetece.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não stresso porque já me habituei e gosto de aqui viver, também nunca vivi noutro lugar. Mas não gosto de pessoas assim.Gosto de falar, cumprimentar. Se calhar o defeito é meu :))

      Eliminar
  4. Nasci na rua onde vivo e onde todos se conhecem, praticamente envelhecemos juntos, todos se cumprimentam e sorriem uns para os noutros, uma pequena vila, mas basta-me andar 3kms para entrar na cidade onde quase ninguém se conhece e a vida é como descreves. É o mal das cidades e quanto maiores, piora um pouco pois ninguém sequer faz um esforço para se relacionar uns com os outros. Sozinhos no meio de tanta gente. Mas eu conheço-te ok? e venho aqui sempre dar-te os bons dias :) Beijoca

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso é bom, nascer e viver sempre no mesmo lugar e conhecer sempre a mesmas pessoas, praticamente é tudo uma familia. Mas eu não dou importância, já me habituei à muito. Mas chamo-lhes entreosdentes (atrasados) lol
      Beijinhos GM. Espero pelos teus bons dias, todos os dias ok? :)

      Eliminar
  5. É verdade, venho duma cidade do Algarve que as pessoas conhecem-se e falam, adoro Lisboa mas sinto muita diferença

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em todas as cidades maiores ou mais pequenas há sempre aqueles bairros típicos, onde as pessoas já lá vivem desde que nasceram e aí, apesar de ser dentro de uma cidade as pessoas falam para toda a gente, é o que se passa no bairro onde a minha mãe vive. Por isso gosto de lá :)
      Beijinhos Cat

      Eliminar
  6. Observar os outros acaba por ser importante para a nossa introspecção.

    ResponderEliminar